Perspectivas de Liderança Laureate – Vice-Presidente Sênior de Transformação de Negócios da Laureate Education

Este mês tivemos o privilégio de conversar com Aimee Leishure, vice-presidente sênior de transformação de negócios da Laureate, que fala sobre sua jornada de liderança de 19 anos na rede, a visão e os valores que mantiveram a sua motivação ao longo dos anos, a liderança em meio à mudança e a importância de colocar os alunos no centro de tudo o que fazemos.

Aimee, você entrou para a Laureate em 1999. Você se lembra do que a atraiu para a Laureate?

Transformação, mudança, impacto, crescimento e oportunidade! Os mesmos benefícios profissionais que me atraíram para a Laureate há 19 anos me dão esperança, otimismo e visão para o futuro da Laureate hoje. Cheguei à Laureate em agosto de 1999, cerca de quatro meses depois de adquirirmos nossa primeira universidade: a Universidad Europea de Madri (UEM), na Espanha. Na época, a Laureate estava focando no crescimento por meio de aquisições e investimentos em instituições internacionais, e as oportunidades eram infinitas. Embora a visão de Doug Becker fosse clara, a missão ou como ela seria alcançada ainda estava sendo desenvolvida e eu tive a oportunidade de fazer parte dela desde o início. A Laureate sempre teve uma equipe de liderança que valoriza e incentiva o crescimento individual, as contribuições, o trabalho em equipe e a colaboração, e esses são os princípios que realmente valorizo até hoje. Durante todo esse tempo, tentei aproveitar todas as oportunidades que me foram oferecidas na Laureate.

O que manteve sua motivação e seu engajamento ao longo dos anos?

Nos últimos 19 anos, a Laureate avançou em 29 países diferentes e adquiriu mais de 70 instituições (pelas minhas contas), atingiu cerca de 15 milhões de estudantes e, em alguns momentos, aumentamos a receita em aproximadamente 30%. Fomos uma empresa de capital aberto, depois nos tornamos uma empresa privada e de capital aberto novamente. Nós crescemos de um negócio de US$ 80 milhões para um negócio de US$ 4 bilhões. Conheci os primeiros 200 colaboradores e agora temos aproximadamente 65 mil. Eu pude ajudar a construir e impactar positivamente tudo isso. Ainda mais importante de mencionar, eu fui influenciada e motivada pelos estudantes que passaram pelos corredores de nossas instituições, que, graças às opções educacionais que proporcionamos, terão um impacto positivo em suas comunidades e, possivelmente, no mundo. Eu fui inspirada pelos estudantes e suas famílias, cujos sonhos são maiores do que eu posso imaginar. Embora eu goste de transformar nossos negócios, a parte favorita do meu trabalho é visitar nossas universidades, passear pelos campi, interagir com nossos estudantes e testemunhar as incríveis visões e o trabalho de nossa equipe e do corpo docente. E por meio da paixão de nossas comunidades, eu realmente consigo ter uma sensação de realização que me mantém fortemente motivada.

Você lidera o Business Transformation Office (BTO – Gabinete de Transformação de Negócios). Como adescreveria a organização BTO e seus principais objetivos?

Nós defendemos a mudança da organização, ajudando a Laureate a manter a sua competividade por meio da resposta à pressão do mercado e transformando essa pressão em uma mudança executável. A visão do Business Transformation Office (BTO) é permitir efetivamente a jornada de transformação da Laureate, desenvolvendo e liderando o alinhamento de iniciativas atuais e futuras com a visão estratégica definida pela liderança sênior. No BTO, implementamos soluções para garantir uma transformação bem-sucedida em larga escala e em toda a empresa.

Em 2014, iniciamos a maior transformação até o momento na Laureate. Conhecida como Excellence in Process (EiP – Excelência em Processos), ela transformou a organização de Finanças por meio da integração vertical, estabelecendo um modelo operacional escalável com processos padrão, sistemas otimizados, controles automatizados e recursos de geração de relatórios eficientes. Após a EiP, o BTO liderou outras importantes iniciativas de transformação para padronizar nossas funções de apoio e reformular nossa estrutura organizacional. Até o momento, geramos mais de US$ 200 milhões em economia total para a Laureate, estabelecemos Centros de Serviços Compartilhados e Centros de Expertise, apoiando 46 instituições em todo o mundo, e implantamos o PeopleSoft para mais de 20.000 usuários em todo o mundo.

Você desempenhou um papel importante gerenciando grandes iniciativas de transformação para a Laureate. Quais são as considerações mais importantes na liderança de mudanças e inovações?

Por meio desses processos de mudança em grande escala, aprendemos que existem pilares importantes quando conduzimos a mudança e a inovação para alcançar uma transformação bem-sucedida. Primeiro, incentivar a colaboração, a comunicação, o engajamento em todos os níveis da organização e aproveitar o poder da rede Laureate. Também contestando o status quo, perguntando a nós mesmos “por que agora” e ousando entrar em território desconhecido. E, por último, o mais importante, focando em nosso cliente final: nossos estudantes. Devemos sempre entender como a transformação está, em última instância, beneficiando as vidas de nossos alunos.

A iniciativa Enrollment to Graduation (E2G – Matrícula à Graduação) é uma prioridade estratégica para a Laureate. Quais são os elementos-chave dessa iniciativa? Quais são os principais benefícios que esperamos alcançar?

A E2G é um movimento de transformação com um novo modelo operacional centrado no estudante que oferece uma experiência inigualável e integrada aos alunos, possibilitada por uma plataforma inovadora. No modelo E2G, as instituições proporcionam aos estudantes uma experiência digital poderosa que lhes permite explorar com facilidade a jornada do aluno, como se inscrever para as aulas, acessar os arquivos dos estudantes, gerenciar as finanças dos alunos e receber ajuda 24 horas por dia. Em sua essência, o E2G aproveita a mais recente inovação em tecnologia digital com os mais altos padrões em atendimento ao estudante, dando às nossas instituições a vantagem competitiva de se diferenciarem em seu mercado.

Sua jornada de liderança é um exemplo inspirador para muitas mulheres líderes na Laureate. Qual seria o seu conselho para a próxima geração de líderes femininas da Laureate?

Eu incentivaria as jovens a reconhecer seus pontos fortes no início de suas carreiras e, o mais importante, aceitar suas diferenças como líderes femininas. Como jovens profissionais, as mulheres às vezes sentem que precisam se encaixar em um estereótipo específico para progredir em suas carreiras e, muitas vezes, evitam assumir riscos e desafiar as circunstâncias em torno delas. Eu quero que a próxima geração de mulheres líderes quebre paradigmas e cresça destemida e orgulhosa de quem elas são como mulheres e das transformações que elas podem fazer. Além disso, escolha um sistema de apoio, escolha líderes e mentores que apoiem seu sucesso e crescimento, que sejam fiéis à você e de confiança. Cerque-se de pessoas boas que sempre desafiarão você para que você se desenvolva, assuma riscos, dê a volta por cima quando cometer erros e comemore quando você tiver sucesso.

Quando você enfrenta mudanças e desafios como líder da Laureate, o que a estimula a continuar e superar essas barreiras?

Em primeiro lugar, a crença em nossa missão. Muitas coisas mantêm a minha força depois de quase 20 anos na Laureate, mas nossos estudantes e nossos incríveis professores e colaboradores, da nossa sede até nossos campi, são a razão para superar quaisquer desafios e obstáculos, especialmente em tempos de mudança. Eles são o coração da Laureate e, como líderes, devemos a eles nossos maiores esforços para proporcionar continuamente o melhor local para estudar e trabalhar.

Qual seria a sua mensagem final para o nosso público de mais de 65.000 membros da Laureate em todo o mundo que está lendo esta entrevista?

Gostaria de convidar a todos para aceitar a transformação, não apenas em nível de carreira, mas também em suas vidas pessoais. Mudança e transformação podem ser intimidantes, afinal, isso nos obriga a sair da nossa zona de conforto, mas só então poderemos realmente descobrir todo o nosso potencial.