Empoderando as Meninas Para Seguirem Carreiras na Indústria de Jogos

Em um esforço para criar mais igualdade na atual indústria de jogos dominada por homens, Tece Bayrak, membro do corpo docente da Media Design School(MDS), iniciou o Girls in Games – um programa que reúne líderes do setor, professores da MDS e estudantes para encorajar e empoderar meninas para carreiras em programação e desenvolvimento de jogos. 

Hoje, mais mulheres se identificam como gamers do que nunca. A participação das mulheres na indústria de jogos digitais não se limita apenas a jogar os produtos acabados, à medida que mais mulheres buscam o desenvolvimento de jogos como uma carreira todo ano. Embora a tendência seja promissora, os números indicam que a indústria de jogos ainda é um setor amplamente dominado por homens. 

Em consonância com essa tendência, a esmagadora maioria dos alunos matriculados nos cursos de Game Art e Game Programming da Media Design School (MDS) é do sexo masculino. Para começar a lidar com essa questão, Tece Bayrak, membro do corpo docente da MDS, lançou o Girls in Games em 2013 – um workshop de desenvolvimento para meninas com foco em design, arte e programação de jogos. O primeiro evento foi criado para encorajar mais garotas a considerar carreiras em programação e desenvolvimento de jogos, além de reunir mulheres jovens com ideias afins para promover o desenvolvimento de relacionamentos em torno de interesses e oportunidades comuns. 

“Quando eu estava na escola, eu era uma das oito meninas em um departamento de informática de quase 120 pessoas”, disse Tece. “Estamos no século XXI e a sociedade ainda tende a ditar quais carreiras são melhores para as meninas. Isso é algo que esperamos mudar por meio do Girls in Games.” 

Desde 2013, o Girls in Games evoluiu de um programa que envolve nove escolas para dois workshops personalizados por ano – Senior Dev Day e Junior Dev Day – com mais de 300 jovens participantes de toda a Nova Zelândia. Apesar do crescimento constante, o principal objetivo permanece o mesmo: encorajar e capacitar as meninas para considerarem o desenvolvimento de jogos como uma carreira prospectiva viável, envolvente e recompensadora. 

À medida que o número de participantes continua a crescer, o que torna o Girls in Games ainda mais impactante é o aumento do envolvimento dos alunos e do corpo docente da MDS, bem como de líderes do setor.  

“A cada ano, mais e mais pessoas se envolvem”, comentou Asma Shakil, membro do corpo docente de Engenharia de Software. “Como o programa evoluiu, os estudantes, os professores e os voluntários da indústria foram fundamentais para empoderar essas jovens mulheres para se tornarem líderes do futuro. Eles não apenas compartilham seu conhecimento e expertise, mas todos eles são modelos importantes para os participantes. Sem todas essas pessoas incríveis, nada disso seria possível.” 

Girls in Games está agora no seu sexto ano e recebe apoio entusiástico de participantes e professores. Ele tem sido bem-sucedido na promoção da participação feminina no setor de desenvolvimento de jogos e seu impacto na cultura da indústria, além de ter ajudado a aumentar o número de matrículas femininas nos programas de desenvolvimento de jogos da MDS. 

Professores que contribuíram para o Girls in Games 

  • Tece Bayrak  
  • Asma Shakil  
  • Shilpa Ranjit  
  • Jordan Browne  
  • Ivan Khmel  
  • Lucy Morris – ex-membro do corpo docente 
  • Samah Hassan  
  • Pat Dunal – ex-membro do corpo docente 
  • Sam Yang  
  • Cynthia Wang– Cynthia também é uma ex-aluna 

Voluntários da MDS que realizaram workshops para os eventos

  • Victoria Smith (2014 – 2015) – Victoria voltou a ser voluntário como aluna em 2016 
  • Niamh Fitzgerald (2017) 
  • Poppy de Raad (2017) 
  • Analiese Bevan (2017) 
  • Kiara du Toit (2018) 
  • Casey Smith (2018) 

Líderes da indústria que participaram 

  • Maru Nihoniho (CEO da Metia Interactive)  
  • Amy Harman (programadora na RocketWorkz) – também ex-aluna  
  • Brie Code (CEO/Diretor criativo de Truluvmedia) 
  • Aleissia Leidacker (Diretor de Interação na MagicLeap) 
  • Amy Potter (gerente de comunidade na Letsplay.live)  
  • Sarah Dixey (diretora de arte da PikPok) 
  • Clélia Tran (gerente de produção da Wingnut AR)