Conheça os Prates: uma família que estuda juntos, sucede juntos.

Para muitos jovens de vinte e poucos anos, a faculdade é sua primeira oportunidade de experimentar a independência, mas Victórya dos Reis Prates encontra seus pais no campus com frequência. Isso porque a estudante de Enfermagem de 22 anos frequenta o mesmo centro universitário que sua mãe e seu pai.

“Todo mundo se comporta bem, evitando situações constrangedoras”, brincou Victórya. “Mas é muito normal para mim porque sempre estivemos juntos em todos os lugares. Mesmo que muitas pessoas achem diferente, elas nos admiram e parabenizam pela nossa união”.

Luís Carlos Siqueira Prates, 57 anos, e Reginara dos Reis Prates, 54 anos, já haviam desistido do sonho de se formar depois que se casaram e tiveram filhos. Isso foi até que Victórya, a mais jovem dos três filhos, abandonou o ensino médio. Luís Carlos então embarcou em uma missão para motivar sua filha a voltar à  escola.

“Tudo começou com o nosso desejo de ajudar Victórya a retomar seus estudos”, disse Luís Carlos.

“Quando meu pai decidiu voltar para obter sua certificação de equivalência do ensino médio, percebi que ele estava fazendo isso para me encorajar a fazer o mesmo”, disse Victórya. Motivada pelo exemplo de seu pai, ela decidiu estudar para obter seu diploma e os dois colaram grau juntos.

Mas a busca pela educação não parou por aí. “O sonho se tornou maior e mais forte, e agora estamos cursando o ensino superior juntos!”, disse Luís Carlos. Não só Victórya e seu pai se matricularam no Centro Universitário FADERGS, mas sua mãe decidiu assumir o desafio também.

“Ela [Victórya] não ficou animada no início de seus estudos, e decidimos fazer a prova do vestibular para lhe dar o apoio que ela precisava”, disse Reginara. “Então pensamos: podemos usar a experiencia de ensino superior da nossa filha como motivação para começarmos de novo”.

Assim como sua filha, os Prates escolheram estudar Ciências da Saúde no FADERGS, em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul no sul do Brasil. Luís Carlos, que estuda Fisioterapia, gostaria de trabalhar em um hospital e fornecer atendimento domiciliar, e Reginara está buscando seu sonho de infância de se tornar uma psicóloga.

“Quando eu era mais jovem, eu nem achava que poderia passar no vestibular. Eu nem sabia como era, mas tinha na minha cabeça que nunca conseguiria”, disse Reginara. “Este é um sonho que se tornou realidade para mim. Eu serei capaz de trabalhar como psicóloga até envelhecer, porque à medida que você envelhece, você se torna ainda mais experiente”.

Os Prates disseram que a busca pelo ensino superior é um desafio às vezes. O malabarismo entre o trabalho e os estudos só é possível devido à incrível quantidade de apoio que recebem uns dos outros e da comunidade FADERGS.

“Além de terem nos ajudado com o ingresso no ensino superior e com o conhecimento acadêmico, tanto o corpo docente como os funcionários sempre nos deram muito cuidado e atenção”, disse Reginara.

E Victórya disse que, embora tenha se tornado normal estudar ao lado de seus pais, ela enfrenta um desafio. “É difícil tentar matar aula”, brincou ela.

O três disseram que esperam inspirar outras famílias na busca pela educação superior e causar um impacto positivo em sua comunidade.

“Imaginamos que cada um de nós, à nossa maneira, adquirirá o conhecimento para ter uma profissão sólida que seja útil para a sociedade no Brasil ou em qualquer outro lugar”, disse Reginara. “Queremos contruir a nossa carreira e deixar a vida nos conduzir também”.