A Educação Transformando o Mundo – Um Estudante de Cada Vez

Quando você conhecer o João Fernandes pela primeira vez, notará rapidamente seu sorriso contagiante, que ilumina a todos por onde ele passa.

Porém, o que você não vê por trás desses olhos brilhantes e desse grande sorriso é um indivíduo que teve que superar muitos obstáculos na vida. Nascido no Rio de Janeiro (RJ), João passou seus anos de infância na Rocinha, uma das maiores e mais perigosas favelas da América Latina. Algumas de suas memórias mais antigas incluem guerras e inquietações ao redor de sua casa.

“Lembro-me de estar em casa com a minha avó e a minha tia em um certo dia”, recordando uma história de seu tempo de menino. “Eu estava assistindo a um filme e todas as luzes da comunidade foram apagadas. Ouvimos tiros e explosões, acredito que de granadas. Minha avó me puxou rapidamente e me escondeu debaixo da cama da minha tia. Eu estava apavorado, mas lembro-me da minha avó repetindo: ‘a tristeza pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã.’”

As tensões continuaram a aumentar na favela e a sua avó sabia que teria que se mudar para garantir a segurança da família. Aos oito anos, João deixava a única casa que ele conheceu. No entanto, no Itanhangá, zona oeste do Rio, um lar muito mais seguro, significava que João poderia se concentrar em algo mais importante: a educação.

 “Minha avó era professora e sempre enfatizava a importância dos estudos”, disse ele. Felizmente para ela, a escola era algo que João gostava desde que ele se lembrava. “Eu sempre amei estudar. Mesmo quando criança, eu adorava ir à escola e estar cercado por outras crianças para aprender e brincar.”

João Fernandes participando da reunião de colaboradores Laureate Town Hall no 14 de junho de 2019

Tendo tido muito sucesso no ensino fundamental e médio, o próximo desafio de João chegava. “Eu olhava para as pessoas ao meu redor e via como elas não conseguiam alcançar seus sonhos por causa da falta de estudo”, recordou. “O que me motivou foi o sonho de me tornar um profissional qualificado e ter uma carreira.”

Mas as universidades onde ele gostaria de estudar eram sonhos caros. Ele não queria estudar em uma instituição pública por causa dos constantes protestos e manifestações políticas que prejudicam os calendários acadêmicos. “Às vezes, os protestos podem tomar uma proporção tão grande que uma universidade fica fechada por muitos semestres. Procurei instituições particulares porque assim eu seria capaz de continuar meus estudos no tempo estimado.”

Inesperadamente, ele logo descobriria o lugar ideal.

“E isso aconteceu quando eu ouvi duas meninas conversando na academia sobre como era estudar no IBMR.”

Quando João tinha 17 anos, o Centro Universitário IBMR havia acabado de se integrar à rede Laureate International Universities.

 “Fui visitar ao campus e quando vi o International Office, soube imediatamente que ali era o meu lugar.”

A mensalidade ainda era consideravelmente cara para a família do João, mas muito mais acessível do que outras instituições de ensino privadas no Brasil.

 “Eu me lembro de minha avó me perguntando ‘é isso que você realmente quer?’ Quando eu respondi ‘sim’, ela disse, ‘então vamos descobrir uma maneira de te ajudar.’”

A avó, a mãe e a tia de João dividiriam entre si os valores das mensalidades nos primeiros quatro semestres, até que ele tivesse uma oportunidade no local que inspirou a sua decisão pela instituição na qual decidiu estudar: o International Office.

 “Fui selecionado para ser estagiário no Escritório Internacional do IBMR e essa oportunidade veio com uma bolsa de estudos.”

Nesse ponto, não demorou muito para João conseguir a sua primeira experiência no exterior. Ele foi para a Kendall College, que na época era uma instituição da rede Laureate com sede em Chicago, para participar de um programa de verão. Em 2017, ele foi convidado a participar do mesmo programa, dessa vez como coordenador convidado.

 “Isso foi inestimável porque era importante para mim ter experiências em um país diferente do meu. A razão pela qual estou interessado em assuntos internacionais é o desejo de poder conectar pessoas do mundo inteiro e ter um aprendizado intercultural significativo.”

Joao Fernandes

João concluiu a sua graduação em 2017 e o seu MBA no início de 2019, ambos no IBMR. Ele está participando de um programa social de trainee com duração de um ano na sede da Laureate International Universities em Baltimore, Maryland (EUA), por meio da Atlas Corps – uma organização sem fins lucrativos sediada em território norte-americano, que oferece aos jovens com perfis de liderança a oportunidade de viver, aprender e trabalhar no exterior. Ao terminar o programa, esses jovens levam com eles uma vasta rede de amigos inspiradores e uma série de novas habilidades e experiências para seu país de origem. Nesta função, João está oferecendo a sua percepção de estudante à rede e apoio à equipe global de Comunicações.

 “A Laureate foi fundada na crença de que o acesso à educação superior de qualidade muda vidas; João é um exemplo perfeito dessa crença. Como resultado direto de seu tempo estudando no IBMR, ele agora está seguindo o seu sonho de trabalhar internacionalmente e contribuir em uma escala ainda maior do que ele e sua família achavam que seria possível.”

Adam Smith, vice-presidente de Comunicações e Relações Públicas da Laureate.

João também está liderando a campanha #100LaureateStudents, entrevistando alunos extraordinários em toda a rede e destacando seus sucessos e realizações por meio das mídias sociais da empresa.

“Eu vejo isso como um caminho para a Laureate, que me forneceu muitas experiências, obter acesso às percepções e perspectivas dos alunos. Quanto mais alunos participarem de reuniões e compartilharem as suas opiniões com a nossa liderança, melhor a Laureate poderá oferecer aos alunos ainda mais espaço para aprender, crescer e criar.”

Mesmo com dois diplomas, João diz que não vai parar por aí. Ele espera continuar seus estudos obtendo o mestrado, desta vez em Comunicações de Negócios Internacionais.

“O futuro parece brilhante para o João e continuamos comprometidos em proporcionar a ele, e a centenas de milhares de outros estudantes em toda a nossa rede, as ferramentas e as experiências que precisam para prosperar”, disse Adam Smith.